NOTÍCIAS

Notícias gerais e sobre o mercado de recebíveis – Fomento comercial

 

ANFAC celebra 30 anos da circular do Banco Central nº 1.359

terça-feira, 23 de outubro de 2018.
Fonte: MASSMEDIA COMUNICAÇÃO

Data foi marcada por palestra do jurista Ives Gandra da Silva Martins e encontro entre profissionais do setor, do Banco Central e da própria Associação.

O atual presidente da ANFAC - Associação Nacional de Fomento Comercial, Luiz Lemos Leite, já em 1982 defendia a implementação do Fomento Comercial no Brasil. Foram seis anos de intenso trabalho até que, em 1988, o Banco Central aprovasse a Circular nº 1359, permitindo operações de factoring.

Os 30 anos dessa conquista do Fomento Comercial foi celebrado pela ANFAC, no Hotel InterContinental, em São Paulo, na última sexta-feira (19). "Estamos comemorando esse marco histórico do setor, que trouxe mais autonomia para os profissionais de factoring e securitizadoras', explica Luiz Lemos Leite, presidente da ANFAC.

O evento contou com a palestra do jurista, Dr. Ives Gandra Martins, que abordou a importância e a repercussão da medida da Diretoria do Banco Central nesse período, além de discorrer sobre a atual conjuntura econômica e política do Brasil. "Em 1982, o Banco Central tentou confundir as operações de factoring com as operações financeiras e justificava dizendo que somente as empresas financeiras poderiam trabalhar com o Fomento Comercial. Conseguimos descontruir essa ideia na Justiça e, por fim, o Banco Central precisou reconhecer que são duas formas diferentes de colaborar com as empresas", contextualiza o jurista.

Profissionais do setor e associados da ANFAC de diversas regiões do Brasil e representantes do Banco Central também estiveram presentes na celebração pela aprovação da Circular, que, segundo Dr. Ives Gandra, contribuiu de forma expressiva para a economia do país. "No momento em que o Banco Central entendeu que as operações financeiras são diferentes, os profissionais da área ganharam independência nas transações de factoring. Isso trouxe um incremento notável à economia brasileira, já que a tendência dos grandes bancos é financiar as grandes empresas, enquanto que o papel das operadoras de factoring é atingir o médio e pequeno empreendedor. E, a partir do momento, que se teve a alavancagem do fomento comercial, toda a economia se tornou mais forte. O grande mérito dessa reformulação do Banco Central, em 1988, é do Dr. Luiz Lemos Leite, que sempre esteve à frente dessa conquista", completa Gandra.