NOTÍCIAS

Notícias gerais e sobre o mercado de recebíveis – Fomento comercial

 

COVID19 - MEDIDAS PREVENTIVAS PARA O SETOR DO FOMENTO COMERCIAL

terça-feira, 24 de março de 2020.
Fonte: ANFAC

A ANFAC e seguramente a maioria de nossas associadas adotaram nos últimos dias a modalidade de teletrabalho ou "home office" buscando, não somente preservar os colaboradores, mas também diminuir o contato social fonte de disseminação do vírus Covid-19.

Muitos municípios também implantaram sistema de quarentena com o fechamento do comércio e serviços, por 15 dias, com duros reflexos para economia, cujos efeitos já estão sendo sentidos pelo Fomento Comercial.

A ANFAC por ocupar uma posição de catalisadora das informações do mercado vem detectando um movimento preventivo dos devedores, ligados às atividades econômicas mais atingidas pelas medidas sanitárias, buscando protelar as suas obrigações financeiras,  receosos de ausência de caixa para compromissos  futuros, comportamento que vem majorando  os índices de inadimplência.

Ao mesmo tempo, muitos dos provedores de crédito, influenciados pela incerteza em seus recebimentos suspenderam indistintamente suas operações, desassistindo setores que não foram afetados pelas medidas sanitárias.

É importante destacar que medidas como "quarentenas" atingem de maneira direta setores da atividade produtiva, ligados especificamente ao comércio varejista e fornecedores de determinados produtos, como também atividades voltadas ao atendimento do público, sendo certo que segmentos da indústria, da construção civil e aqueles ligados a cadeia alimentícia, continuam com sua atividade inalterada e às vezes até aquecida, com a necessidade de negociar seus recebíveis e enfrentando no momento sérias dificuldades na obtenção do crédito.

O momento recomenda cautela e análises, principalmente em relação ao ramo de atividade dos cedentes e seus sacados, mas revela para o Fomento Comercial uma "janela de oportunidade" diante da total falta de oferta de recursos financeiros.

Estamos buscando interlocução tanto com o BNDES quanto com o SEBRAE, na tentativa de medidas para eventual concessão de um tipo de "aval solidário" ou fundo garantidor, possibilitando o destravamento das operações junto a provedores de recursos que atuem com capital próprio, como factorings e ESCs.

Na concepção da ANFAC o Fomento Comercial e todos os setores da economia estão dando sua contribuição na redução do contato social, mas medidas de suspensão de atividades econômicas não podem se prolongar indefinidamente.

Está claro que as autoridades entregaram o processo decisório à comunidade médica, e os médicos deram ao assunto o encaminhamento para que foram formados buscando preservar a vida a qualquer custo.

A ANFAC está empenhada em demonstrar a disposição de nossa sociedade ao sacrifício, porém devemos estar atentos aos efeitos nefastos que medidas radicais poderão ocasionar se implementadas por longo prazo, ja havendo manifestações, a respeito, de empresários bem-sucedidos com peso na economia e de alguns médicos.

Já se observa um movimento na busca de outras alternativas que não a paralisação de nossa, já tão frágil, economia e estamos esperançosos que o sacrífício de uma quarentena, não pode e não deve ultrapassar 15 dias.

"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero" (Vitor Hugo)

Não deixemos o pânico ou o desespero prejudicar nossas vidas, decisões e negócios, pois o nosso foco é garantir a sobrevivência do fomento comercial.